FIOCRUZ - Fundação Oswaldo Cruz

12º SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE ESQUISTOSSOMOSE

(RIO DE JANEIRO, RJ  05-08/OUTUBRO/2010)

 

O primeiro Simpósio Internacional sobre Esquistossomose foi realizado em 1987, no Rio de Janeiro com edições a cada dois anos. Até o momento foram realizadas 11 edições do Simpósio. Este último foi realizado em realizado em 2008 na cidade de Salvador em comemoração ao centenário da descoberta do Schistosoma mansoni pelo eminente pesquisador baiano Pirajá da Silva. Nestes eventos tem sido enorme a repercussão na comunidade científica, tanto nacional como internacional, pela qualidade e conteúdo científico das apresentações. Esta é uma oportunidade única em que pesquisadores brasileiros e estrangeiros que estudam a esquistossomose tem oportunidade de trocar experiência, dados e opiniões. Importantes cientistas que trabalham no tema têm participado ativamente nos Simpósios já realizados. Em cada evento participam cerca de 400 congressistas entre cientistas nacionais e estrangeiros, estudantes de graduação pós-graduação, além de profissionais dos serviços de saúde municipais, estaduais e federais. Nestas ocasiões, tem sido de fundamental importância a participação dos gerentes e formuladores de políticas do Ministério da Saúde responsáveis pelo controle da esquistossomose no Brasil. O 12º Simpósio será realizado em outubro de 2010, no Rio de Janeiro e terá como temática os novos conhecimentos sobre esquistossomose com base em abordagem abrangente considerando as determinantes sócio-ambientais da saúde, estratégias interprogramáticas e ações intersetoriais, visando maior equidade no acesso à saúde, efetividade das ações de vigilância e controle. Esta importante endemia afeta milhões de pessoas no planeta e representa um difícil problema de saúde pública em 74 paises na África, Ásia e Américas. No Brasil, tem ocorrido diminuição das formas graves devido às campanhas de tratamento em larga escala iniciadas na década de 1970; no entanto, a doença continua sendo transmitida nas áreas endêmicas, com o agravante de encontrar-se em franca expansão geográfica, atingindo áreas até então consideradas indenes.

Entre mesas redondas e conferências, vários assuntos escolhidos pelo Comitê Científico para as mesas redondas são:

Desafios do controle da esquistossomose no mundo; Patogenia e Patologia da esquistossomose; Genoma de Schistosoma; Diagnóstico por imagem; Novas abordagens para diagnóstico da esquistossomose; Informação, educação e comunicação em saúde; Biologia, ecologia e controle de moluscos vetores da Esquistossomose; Novos conhecimentos em imunologia da esquistossomose; Pesquisa e desenvolvimento tecnológico em saúde para controle da esquistossomose; Controle da Esquistossomose no Brasil (estruturada pela SVS/MS com participação dos gerentes Estaduais do programa de Controle); Controle ambiental da esquistossomose e ações nas escolas para controle da esquistossomose.

Espera-se que os resultados destas reuniões possam contribuir para reduzir ou eliminar esta endemia de modo que ela deixe de ser um problema de saúde pública em futuro próximo.

Comissão Organizadora